Search
Close this search box.
Música

Amigo oculto

Foto: Regy Carte

A capa do disco a tocar na vitrola tem carimbo e assinatura, data e ano. Carlos Roberto Dantas de Oliveira, em 30 de maio de 1984, diz a letra cursiva sob o carimbo para atestar a posse, à época, do LP do cantor Jessé.

Pudera. Digno de orgulho dispor de tal álbum – Estrela de Papel –, magnífica obra de arte dos maiores intérpretes da música brasileira, falecido aos 40 anos, em 1993.

Quis o destino Jessé, amante da alta velocidade, perder o controle do seu Ford Escort XR3, a 190 km/h, a caminho do Paraná. Foi-se o corpo, ficou a música.

Na agulha, o vinil conduz ao mundo de poesia e sonhos do artista – ambiente que Carlos Roberto conheceu bem. Trata-se do segundo LP de Jessé, na minha parca coleção, com carimbo e assinatura de Carlos.

No outro disco, Jessé – Sobre Todas as Coisas, duplo e ao vivo, Carlos Roberto assinou quase três anos depois, em 3 de janeiro de 1987. Grande Carlos Roberto, também fã do estupendo intérprete de Porto Solidão e Voa Liberdade.

Quantos LPs mais ele teria? Mistério. Como mistério para mim é Carlos Roberto Dantas de Oliveira. Quem seria, quem foi? Ainda vivo?

Seus antigos LPs, comprei num sebo, em lote de discos empilhados numa cadeira, na feira do Vuco Vuco, em Mossoró. Procurei por Carlos Roberto no Google e Instagram. Nenhum sinal.

Queria expressar ao amigo desconhecido a gratidão por ter reservado tais LPs ao bebê que eu, com dois anos na época, herdaria quatro décadas depois.

Sem Carlos Roberto, essa conquista seria possível? Provavelmente não soubesse ele que, ao comprar os discos, preservaria rico catálogo da MPB para geração vindoura. E eu, privilegiado, por hoje ser guardião desses tesouros da música.

Saberia Carlos, talvez, que eternizado estaria além do seu nome nas capas, como a soprar O Último Discurso, de Charles Chaplin, presente no encarte do álbum de Jessé: “Todos nós desejamos ajudar uns aos outros. Os seres humanos são assim. Desejamos viver para a felicidade do próximo – não para seu infortúnio”. Grande Carlos Roberto. Sabia das coisas.

 

©RC

Compartilhe